sábado, 29 de junho de 2013

Gândavos - Contadores de Histórias


O segundo projeto que gostaria de apresentar, fechando as publicações juninas aqui no Blog, é o projeto Gândavos – Contadores de Histórias
Através de uma entrevista que fiz com Carlos A. Lopes, idealizador e coordenador da empreitada, espero fornecer uma visão geral do projeto e, o que é melhor: despertar o interesse e a vontade de participar.



Saudações letripulistas e vamos à entrevista:




Carlos A. Lopes e seus dois primeiros 'filhos': Gandavos - Os Contadores de Histórias e Gandavos - Contando Outras Histórias. Foto de acervo privado, aqui usada com permissão.




P - Converso aqui com Carlos A. Lopes, organizador do Blog Gandavos - Contadores de Histórias, um projeto que chamou minha atenção pela proposta de incentivo à leitura e à escrita, bem como pelo efeito de contribuir para registrar a memória popular de vários cantos do país. Diga lá, amigo Carlos, como surgiu o Gândavos? 
RGândavos é um passado resgatado no presente, noutro formato. Cresci numa cidadezinha, na região Moxotó de Pernambuco. Lá não existia banca de revistas, bibliotecas, ou sequer sinal de televisão e de entretenimento, só havia mesmo os bailes no clube e o cinema do meu pai, do qual, com apenas doze anos de idade, eu já era projecionista. Foi nesse ambiente simplório que um grupo de jovens criou um grupo de teatro, cujo objetivo era adquirir cultura e oferecer diversão para aquela gente que só sabia do mundo através das ondas de rádio. A origem do Grupo Teatral Os Gândavos se deu no final de 1974, a partir de uma apresentação de uma peça extraída de um cordel. O nome do Grupo foi descoberto meramente por acaso. Em uma das suas viagens psicodélicas pelas páginas do “pai dos burros”, dicionário cujas letras eram minúsculas, fez com que um dos membros do grupo lesse gândavos em vez de gandavos.  Prevaleceu a palavra gândavos, por sua eufonia em relação ao hino, que se cantava antes do início das apresentações. Passados os arroubos da juventude, resgatamos atualmente o mesmo nome para um ambiente de rede mundial, não só para agrupar velhos amigos, mas também para compor um rol agradável com as pessoas de outras regiões que gostam de nostalgia e de contar novas histórias.

P - Quem faz parte?
RFazem parte do Blog Gândavos, autores das mais diversas regiões do país e também alguns que residem fora do Brasil. A ideia era essa mesma, misturar culturas e formar um grupo que interagisse sem necessariamente se conhecer fisicamente e evidentemente agregar também aqueles que já se conhecem. E para formar esse grupo careceu de apostar num trabalho lento e progressivo.  O Blog tem como foco os contos, no entanto publico crônicas e até poesias, não tenho preconceito com gêneros. O começo não foi fácil, eu fazia de tudo para encontrar gente de talento e que pudesse contribuir na segunda etapa do Projeto – as publicações. Nessa primeira fase, temos muitas histórias, afinal foi muito estranho para alguns autores encontrar em suas caixas de mensagens apelos por liberação de textos, vindas de um nordestino de pouca prática na escrita. Fui salvo até pela avó do escritor Gilberto Dantas, que por ser nordestina, o autor se sensibilizou e até hoje está conosco. Enfim, depois de umas tantas adesões o trabalho foi merecedor de outro tratamento e ganhou respeito em nível nacional. Hoje quando convido alguém para participar, muitas vezes escuto: ¨Rapaz, como você conseguiu tanta gente de talento no seu Blog?¨  A resposta é sempre a mesma: ¨Respeito e confiança, só isso!¨  Enfim, fazem parte do Blog Gândavos hoje, autores famosos ou não, também pessoas iniciando na vida literária, com textos confessionais ou reminiscências próprias, bem comuns em início da carreira. Sempre digo que a melhor maneira de mostrar nossos trabalhos de início, é se agrupando com quem já tem uma bagagem literária avantajada. Uma coisa é certa, os autores com trabalhos já consagrados que fazem parte do Blog jamais demonstraram constrangimento em figurar junto aos iniciantes, o que é muito louvável da parte deles. Só tenho que agradecer a toda essa gente bonita e talentosa desse Brasil de meu Deus!

P - Esse projeto já gerou a impressão de dois livros e sei que um terceiro volume está a caminho. Conte um pouco dessa experiência de publicação independente. Como tem sido a recepção?
RAté sair do meu interior, Custódia, ouvia dizer que empurrar bêbados ladeira abaixo era a coisa mais fácil do mundo, é não! A coisa mais fácil do mundo é publicar livros, desde que o sujeito não fique correndo atrás de editora que os promova, ou de patrocinadores, basta se agrupar. Uso a seguinte premissa: Somos seres sociais! As ferramentas estão aí, basta usá-las. Dizem que a internet é perigosa, é nada! Os carros não foram feitos para matar, no entanto matam. Tudo na vida é uma questão de saber se posicionar.  Como disse antes, o trabalho do Blog é moldado dentro dos preceitos de respeito e confiança. Quando envio a seguinte mensagem aos autores: “Amigos, é chegada a hora de depositarem o dinheiro correspondente a suas opções de compra”, todos depositam o dinheiro rapidamente. Excelente nosso grupo! Nesse Projeto do terceiro livro tipo coletânea, que a amiga citou, está por acontecer, a procura foi maior que o espaço físico disponibilizado. Cinco autores que costumam publicar seis textos, gentilmente concordaram em reduzir suas publicações no próximo volume, para que autores iniciantes pudessem participar. Há muita compreensão nesse sentido. Temos bem definidos três tipos de autores participantes dos livros. Uma grande parte adquire poucos exemplares e distribui com familiares e amigos; outro grupo pede mais livros e revendem, são autores que geralmente já publicaram livros antes. Por último, temos um grupo que vende uma parte da sua opção de compra para cobrir as despesas e o restante distribui com amigos e familiares. E para alguém não dizer que estou a dizer asneira quando digo que publicar é fácil, lhes digo: Publicamos dois livros em poucos meses; evidente que a partir do quarto livro, vamos publicar espaçadamente e considerar outras possibilidades.

P - Dificuldades? Quais têm sido as maiores?
RDificuldade para mim, são aqueles obstáculos que não estão previstos num empreendimento. Para se publicar um livro há etapas a serem ultrapassadas, as quais não chamo propriamente de dificuldades, pois elas estão em qualquer lugar onde se publica livros. Porém, para não dar a entender que tudo é lindo e maravilhoso, citarei uma dificuldade que me tira o sono: o envio dos livros aos autores quando os recebo da editora. A única forma de enviar livro de forma compensatória financeiramente para os autores, são os chamados impressos, os quais são relegados às piores condições de entrega ao destinatário. Isso para não dizer que também tenho que afixar nos pacotes: “Os Correios estão autorizados a abrir esta embalagem”. Quanto maior o volume, maior é a demora, que se multiplica no serviço de entrega.

P - Pelo que entendi, o Gândavos é uma iniciativa que visa, sobretudo, a divulgação dos textos e autores, com o propósito não de vender livros, mas de fazer as histórias chegarem ao leitor. Como você vê a possibilidade de distribuição via E-Livro? Estaria disposto a ver também os volumes da Gândavos nesse formato à disposição do leitor?
R -  Quando resolvi sair do meu interior, minha mãe disse: ¨Meu filho, se você tem um emprego disponível aqui, porque ir para o Recife e ficar distante de nós?¨ Respondi: ¨Mamãe, gosto do novo, do moderno¨. Acrescentei: ¨Se quero encomendar uma roupa, tenho que escolher os botões que a venda de Seu Domingos dispõe, não os que queria utilizar no modelo¨. Enfim, gosto do novo e amo meu passado! Não vivo sem os dois! Respondendo objetivamente a sua pergunta: sou a favor de que num futuro próximo as nossas publicações possam ser vinculadas noutro formato, no caso o livro digital. Porém, entendo que neste momento o foco do Blog Gândavos é fazer o processo inverso: fazer publicações de livros físicos a partir de textos ora hospedados nas páginas virtuais em rede mundial.


Muito obrigada, Carlos A. Lopes, por seu tempo e disposição em responder estas perguntinhas.

Helena Frenzel.


Link: gandavos.blogspot.com


P.S.: não sou nem pretendo atuar como jornalista. O objetivo das 'entrevistas' foi conhecer (e dar a conhecer) melhor os respectivos projetos e contribuir na divulgação (Helena Frenzel).





Copyright 2013 (c) - Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão dos autores.

17 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Tenho acompanhado os textos dos Pequenos Escritores da Canastra neste blog e quero mais uma vez parabenizar a todos, sobretudo aos garotos pelos seus depoimentos, a Maria Mineira pelo seu brilhante trabalho junto a essa garotada de valor, e também a vocês Helena e Michele, pela oportunidade e incentivo a ações dessa natureza.

    Também estou muito feliz com a oportunidade que vocês, Helena e Michele, nos deram de falar um pouco sobre o trabalho que desenvolvemos por cá, no nosso modesto blog, externado a Deus e ao mundo sobre as nossas ideias e realizações.

    Sempre digo que caminhar em grupo é mais seguro que sozinho, daí agradeço pelo carinho e a atenção em nome de todos, afinal somos um grupo que publicamos textos e livros pelo simples prazer de escrever e incentivar aqueles que podem vir a contribuir com a nossa sociedade.

    De modo que também fica um agradecimento final a todas as pessoas que vão comentar, aqueles que vão apenas espiar e, mais do que tudo, aqueles que possam levar ideias saudáveis, como a nossa e a da Maria Mineira, adiante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Carlos. É muito mais seguro e inteligente caminhar em grupo do que sós. Foi um prazer divulgar o Gândavo, trabalho que eu realmente admiro. Grata pelo incentivo aos Pequenos Escritores e às gentis participações. Volte sempre!

      Excluir
  3. Meu amigo, vim ler sua entrevista, dar os meus parabéns e dizer uma coisa que já lhe disse antes, lá no blog: "Escrever é se expor e, portanto, um ato de coragem. Não é sempre que um escritor iniciante, tem a oportunidade de mostrar ao público os seus textos. O blog Gândavos permitiu-me concretizar o sonho de publicação e o estímulo necessário para continuar. Carlos Lopes, muitíssimo Obrigada!" Em tempo agradeço outra vez à Helena e Michele por todo esse apoio que nos tem dado. Abraço a todos!
    Maria Mineira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante é que quanto mais facilidade se tem para publicar, mais difícil fica conseguir a atenção do público. É uma luta diária que só não desiste quem aprendeu a ouvir 'nãos' e tem muito claros os motivos e razões que o levam a escrever. Você é muito bem-vinda aqui, Maria, nós que agradecemos. Volte sempre que desejar!

      Excluir
  4. Uma grande pessoa, o Carlos. O projeto dá certo porque é verdadeiro, sincero e desinteressado. Dá certo porque é feito com carinho e dedicação. Além de incluir gente muito boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Ana. Nada melhor do que honestidade para validar ações. Grata pelo incentivo aos Pequenos e pelas gentis participações, volte sempre!

      Excluir
  5. Que prazer eu tenho de ver divulgados trabalhos dessa natureza, de gente que se dedica apenas ao propósito maior de ser útil aos outros, através de ver realizado um projeto coletivo, sem nenhuma empáfia ou interesse escuso.Tenho imenso orgulho de caminhar a seu lado, Carlos, desde os primeiros passos em seus livros "solo" e particularmente uma grande honra de fazer parte da família Gândavos, no projeto das coletâneas, que sem nenhuma dúvida é a realização de um sonho da maioria de nós, ter nossos escritos publicados e chegando aos leitores, despretensiosamente, apenas com o propósito de levar um pouco de nós, de nossas culturas, ao conhecimento deles e assim construir no todo a nossa própria história cultural. Tenho uma admiração desmedida por esse amigo, honesto, humilde e sincero, para mim um grande empreendedor de ideias e que ficará na história lembrado como "gente que faz". Parabéns, meu querido amigo.

    Parabéns Helena e Michelle, igualmente grandes empreendedoras de ideias, por esta entrevista tão bem conduzida e pela disponibilidade em favor do que é essencial, a propagação do amor através da leitura.

    Um abraço muito carinhoso, para todos vocês.
    Celêdian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Celêdia, verdadeiramente creio na cooperação gratuita e sincera como chave para um mundo melhor e mais justo para todos nós. Muito grata por suas palavras. Um grande abraço carinhoso para você também. Volte sempre!

      Excluir
  6. Ebah! Também que me pronunciar. Já havia lindo perguntas e respostas da entrevista quando meu tio respondia uma por uma e pedia minha opinião. Ao ver a entrevista bem arrumadinha com foto e tudo dá uma sensação de transformação para melhor, evidentemente. Portanto, um ¨viva¨a essas meninas maravilhosas (Helena e Michelle) e a certeza que estão prestando um excelente serviço aqueles que precisam de oportunidades. Quanto ao tio Carlos, com esse eu me entendo e amanhã devo pagar-lhe um almoço no restaurante da rua 48, local que tanto aprecia, para comemorar essa entrevista maravilhosa. beijos a todos, inclusive a Celêdian, tem o dedo dela em tudo que o tio faz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Patricia e bon apetit! :-)

      Excluir
    2. Patrícia querida, só tenho aprendido muito com seu tio Carlos e muito a agradecer a ele. Saiba que para além de nossas trocas no que tange aos projetos literários, tenho imenso orgulho de poder chamá-lo de amigo, assim como você, a quem tive o prazer de conhecer. E você menina, é parte de tudo isso também, há também o seu dedo em tudo, com grande contribuição. Um beijo, querida e obrigada pela atenção.

      Excluir
  7. Jair (Jajá de Guaraciaba), Pilar do Sul/SP29 de junho de 2013 19:47

    Adorei a entrevista e os mimosos textos dos pequenos artistas da Serra da Canastra e... viva Maria Mineira!!!
    Como o prezado mestre é da terra dos poetas, enviei um cordel para o Blog Sem Vergonha de Contar.
    Agradeço pela oportunidade.
    Abraço afetuoso a todos daí e até breve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Jair, recebi o seu cordel (amo cordel) e em breve entro em contato. Valeu!

      Excluir
  8. Parabéns Carlos, pela bela iniciativa! Conheci seu blog através da Helena, minha comadre, e comentei com ela que tinha gostado muito! Gostei da formatação, do estilo Três Mosqueteiros "Um por todos e todos por um" e especialmente dos textos!!! Continue sempre!Abraços

    ResponderExcluir
  9. Tem quem diga que falo demais, digo-lhes apenas que o tempo só vai acentuando essa característica que não me incomoda nem um pouquinho ... sendo assim, vou falar um pouco mais ainda. Quero agradecer os comentários afetuosos de Gilberto Dantas, Fabiana Lopez, Carlos Costa e Jair,feitos diretamente na minha página. A vocês Ana Bailune, Maria Mineira, Celêdian e Patrícia a certeza de que temos muito a fazer, a criar e a publicar em livros pela frente; quanto a Helena e a Michele a certeza que podem estreitar os laços de amizade e cooperação naquilo que possa ser útil para facilitar o ingresso de pessoas nesse mundo tão fantástico que é oda criação literária. Helena e Michele, ôcês são gente das boas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim meu caro amigo Carlos, temos muito o que fazer ainda, muita estrada a percorrer no sentido de criarmos meios que nos possibilitem, a todos que nos engajamos em projetos desta natureza, de uma forma solidária, juntando-nos em torno de um objetivo em comum, o de associar o prazer de vermos nossos escritos eternizados nos livros, ao prazer de sabermos que estamos dando a nossa contribuição à cultura de nosso país. É o mesmo propósito que vejo nos projetos de Helena e Michelle e para as quais dirijo as mesmas palavras. Posso repeti-lo? Ocês todos são gente das boas.

      Excluir

Caro(a) Leitor(a), comentários são responsabilidade do(a) comentarista e serão respondidos no local em que foram postados. Adotamos esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, volte sempre!