terça-feira, 6 de maio de 2014

Setembro esquecido



Por Michele Calliari Marchese

Esse causo aconteceu na Campina da Cascavel e há sérias dúvidas de que tenha realmente acontecido, mas aconteceu. Foi há muito tempo, tanto tempo que não se sabe precisar, mas foi na época em que o Padre Dimas estava começando seus serviços religiosos por aqui.
Conta-se que numa noite de céu estrelado, a Dona Jovilde, junto com o seu marido Alencar viram chegar à Campina um cavaleiro muito estranho. Vinha montado num cavalo branco e trazia consigo um arco, mas que não puderam ver direito do que se tratava, já que estava escuro. O cavaleiro estacou de súbito em frente ao casal e disse numa voz de barítono: “Venho para vencer e quem quiser que venha comigo.” E assim como apareceu, deu a meia volta e retornou de onde estava vindo. A Jovilde e o marido acharam tratar-se de algum louco e continuaram seu passeio alegremente.
Justamente nesse horário da aparição, o Padre Dimas acordou sobressaltado com um sonho que teve a respeito da vinda do tinhoso.
Sonhou que o próprio credo em cruz arrebataria as almas da Campina num estalar de dedos e ainda se riria do pobre Padre Dimas.
Não se sabe o que pesou mais; se o medo do tinhoso ou se o orgulho ferido, mas a verdade é que na Missa de domingo o Padre convocou toda a população para uma nova novena para que as almas não se perdessem e não caíssem na conversa do demo se por uma desventura ele aparecesse.
Ele não apareceu, o Padre deu-se por satisfeito e com o orgulho restituído.
Na semana seguinte a Dona Silvana e as crianças, viram um cavalo vermelho aparecer na Campina. Conta ela que o cavaleiro tinha uma espada na mão, do tipo que jagunço usa e imediatamente mandou o filho mais velho chamar o delegado e ficou tão desconfiada que não escutara as palavras ditas pelo cavaleiro e tampouco vira quando desapareceu. Deu-se conta da gravidade da situação quando chegou o Padre Dimas suando em bicas dizendo estar se sentindo muito mal a ponto de desmaiar. “Deve ser o calor, seu padre.” Disse a Dona Silvana de olho no delegado que chegava ao seu encontro.
Mas a Dona Silvana não pôde contar nada porque aconteceu de chegaram subitamente na Campina mais de 350 jagunços fugidos da Guerra dos Pelados e corriam feitos loucos em seus cavalos pela estrada, levantando pó e trazendo muito desespero. O padre ajoelhou-se ali mesmo, seguido de delegado, da Dona Silvana e das crianças e começaram a rezar e só pararam quando a Campina ficou num silêncio de morte.
“Foi exatamente isso que eu sonhei”. Disse o Padre Dimas já refeito do susto. Com surpresa constatou que não houve gentes feridas, como também, a população incrédula não sabia do que eles estavam falando. Benzeram-se e foram embora psicologicamente abalados.
Na terceira semana, numa manhã de quarta-feira foi o barbeiro que, abrindo a porta da barbearia deu de cara com um cavaleiro segurando uma balança montado num cavalo negro.
Perguntou se podia ajudá-lo e percebeu no seu íntimo que seus preços de corte de cabelo e barba eram muito baixos e injustos e certa indignidade tomou conta de si. Ele não notou quando o cavaleiro foi embora devido a que todo o povo da Campina estava a reclamar de fome e de injustiças.
Teve que ter uma intervenção do Padre Dimas, que, segundo ele, havia também sonhado com a fome assolando a Campina, mas, ao contrário das reclamações e do sonho premonitório, ali abundava o alimento e tudo o que se plantava era colhido com sucesso. Fez as pessoas verem que tudo não passava de um grande embuste proclamado pelos Cavaleiros do Apocalipse e então as pessoas se deram conta das injúrias que tinham cometido e tentaram e conseguiram esquecer o ocorrido.
Agora restava esperar o quarto e último cavaleiro – o da morte - que apareceu na semana seguinte para o Padre. Vinha o cavaleiro segurando uma jarra e seu cavalo tinha uma cor pálida, como a de um cadáver que se decompõe, muito esquálido e quase a cair.
O cavaleiro ofereceu a jarra ao Padre Dimas e então todo o inferno apareceu diante de seus olhos. Tudo ficou escuro e mau; o Padre Dimas teve muita dificuldade em refugar o presente mortal que lhe era oferecido, mas com a força do seu orgulho conseguiu segurar, diante de seu coração, uma cruz benta e ali ficou de olhos fechados, tremendo inteiro, rezando rezas sem nexo e pedindo que a morte fosse embora da Campina.
Sentiu uma lufada de vento quente em seu rosto, abriu os olhos e viu o sol brilhando naquele dia primaveril.
A vida retornava à Campina da Cascavel e a única coisa que a população não conseguia entender é: como é que estavam no mês de outubro se não tinham vivido o mês de setembro. Poucos velhos sabiam desse episódio, mas preferiram nunca comentar.



© 2014 Blog Sem Vergonha de Contar - Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão da autora. 

6 comentários:

  1. Um conto assombroso!!! Muito boa a narrativa. Prende a atenção, desperta a curiosidade e culmina em um final misterioso (desses que eu gosto).
    Bom dia, Helena. Parabéns ao talento da autora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana! Assombroso não? É que você não vive aqui na gloriosa Campina da Cascavel.... coisas muito mais assombrosas assolam os animos que qualquer vivente! Bom saber que gostou, venha sempre, um beijo! Michele C.Marchese

      Excluir
  2. É muito agradável ler contos da natureza, com suspense. Uma ótima escolha para a postagem. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marilene, muito obrigada pela leitura! Beijos
      Michele C.Marchese

      Excluir
  3. OI HELENA!
    CHEGUEI AQUI, LI O CONTO QUE É DE DAR MEDO E FIQUEI.
    ESTOU TE SEGUINDO.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Zilani, fique mesmo!!!! Beijos
      Michele C.Marchese

      Excluir

Caro(a) Leitor(a), comentários são responsabilidade do(a) comentarista e serão respondidos no local em que foram postados. Adotamos esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, volte sempre!