segunda-feira, 27 de agosto de 2012

A Novena


Por Michele Calliari Marchese

Esse causo aconteceu na Campina da Cascavel, deveras distante de tudo, poderia dizer que é um Universo único, dada a quantidade de causos sem explicação e misteriosos que acontecem por essas bandas.

Foi tão assustador e verídico, que foi contado aos filhos dos filhos da Campina. Passou-se 90 anos e ainda causa arrepios. Credo!
Aconteceu na semana de finados quando o Padre Dimas começou a novena no dia 25, uma sexta-feira.
Como todo mundo sabe, a novena é dividida em nove dias, e naquele primeiro dia apareceu na igreja uma gente estranha que não era conhecida de ninguém. Ficaram em pé na entrada, vestiam roupas muito simples e tinham as cabeças baixas. Ninguém conseguia ver os rostos. E o Padre Dimas começou:
“Hoje, traze-me a humanidade inteira...”
E o povo que estava lá, olhou imediatamente para trás, pois parecia que as pessoas estranhas na entrada eram a própria humanidade inteira proferida pelo Padre.
“... especialmente todos os pecadores...”
Olharam para trás de novo.
“...e mergulha-os no oceano da Minha misericórdia. Com isso Me consolarás na amarga tristeza em que Me afunda a perda das almas.”
A Dona Iraci imediatamente ajoelhou-se e começou a rezar seguida das outras mulheres, dos homens e das crianças da Campina. Havia certa comoção, certo alerta durante toda a novena, e o Padre ficou feliz em ver todas as almas tão compenetradas, mesmo aquelas estranhas. Quando terminou a novena ninguém mais viu aquela gente que estava lá.
Durante todos os dias da novena, apareceram crianças sem pais, velhos, doentes e toda a sorte de pessoas desconhecidas, simples e cabisbaixas. E sempre à porta da entrada.
No quinto dia da novena, no dia 29, o Padre Dimas começou:
“Hoje, traze-Me as almas dos cristãos separadas da unidade da Igreja e mergulha-as no mar da Minha misericórdia.”
Em vez do habitual “Amém”, ouviu-se Dona Iraci chorando na primeira cadeira, em frente ao padre. É que ela tinha a certeza absoluta de conhecer uma das gentes que estavam na entrada. “Parecia-lhe alguém, alguém a quem amou”.
Naquele dia muitos choraram a lembrar de seus mortos e o Padre Dimas encerrou a novena, comovido.
E assim sucedeu até o oitavo dia da novena, quando a Dona Irma e o Seu Olice, que chegaram um pouco atrasados, juraram ter visto o jagunço Angelin – já morto – na entrada da igreja com a sua habitual capa preta.
“Hoje, traze-Me as almas que se encontram na prisão do Purgatório e mergulha-as no abismo da Minha misericórdia.”
Como o Seu Olice já tinha comentado com os outros sobre as suas impressões na entrada da igreja, todo mundo tratou de olhar para trás logo que o padre começou a novena, mas o que viram foi um vulto fugido, como o tinha sido Angelin em vida.
Ninguém mais queria ficar na igreja e todos pediram ao Padre Dimas que trocasse de novena, pois que esta estava atraindo almas do outro mundo, ao que o padre respondeu que só tinha conhecimento daquela, mas não teve negociação, todos foram para casa assustados e arrepiados, alguns correndo e esquecendo seus cavalos.
No nono e último dia da novena que seria realizada no Cemitério às oito horas da manhã em honra ao dia de Finados, o padre tinha sérias dúvidas quanto ao aparecimento do povo por lá, mas surpreso, encontrou as beatas encasacadas a acender as velas na Cruz Mestra e uma multidão que vinha aparecendo pela estrada.
O padre, que de cabeça baixa, já a rezar, postou-se em frente a Cruz Mestra e de olhos fechados disse:
“Hoje, traze-Me as almas tíbias e mergulha-as no abismo da Minha misericórdia.”
Finda a novena, o padre abriu os olhos e não viu ninguém.
Nem o povo tão seu conhecido, tampouco as gentes que estavam por lá e aquelas que estavam chegando. Olhou para a Cruz Mestra e não encontrou nenhuma vela acesa e nenhuma das beatas.
Ficou muito assustado, começou a rezar, acender velas e a benzer as tumbas quando viu chegarem pessoas tão suas conhecidas: o povo da Campina!
E o padre não entendeu nada e perguntou por que não tinham aparecido às 8 horas para a Missa e a novena e o povo respondeu como num pacto com o além:
“Mas ainda nem é oito horas seu padre.”


Copyright 2012 (c) - Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

2 comentários:

  1. Adorei o causo da Novena... Amo esse gênero que tende aos mistérios. Vim conhecer o espaço e deixar meu abraço. Espero pelos 16 contos para conhecer muita gente boa, tenho certeza! Sucesso! Marina Alves.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marina, muito obrigada pelo seu comentário! Beijos

      Excluir

Caro(a) Leitor(a), comentários são responsabilidade do(a) comentarista e serão respondidos no local em que foram postados. Adotamos esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, volte sempre!